Nome da Doença: Esclerodermia - pele endurecida ++
 
 
Tratamento: Teles: Juntamente com antibióticos específicos o uso do abacaxi dá bons resultados. Bater 2 colheres sopa de abacaxi picado, com 1 colher de sopa de farinha de trico fina, e aplicar a pasta obtida na pele por 15 minutos. Lavar e aplicar em seguida creme de Guaçatonga com Confrei. Cobrir com gaze e deixar 6 horas.
 
 
Sintomas: Esclerodermia é uma palavra grega que pode ser traduzida por “pele endurecida”. A pele torna-se brilhante e dura. Há várias doenças que têm como característica principal o endurecimento da pele. Há dois tipos de Esclerodermia: a esclerodermia localizada e a sistêmica. Na esclerodermia localizada a doença está limitada à pele e aos tecidos que estão debaixo da pele afetada. Pode ter a aparência de manchas (morphea ou morféia) ou de faixas finas (esclerodermia linear). Na esclerodermia sistêmica (ou esclerose sistêmica) o processo é mais abrangente e envolve não só a pele mas também os órgãos internos do corpo. Pode causar sintomas diferentes como por exemplo azia, dificuldades respiratórias e pressão arterial elevada. É uma doença comum? A esclerodermia é uma doença rara. As estimativas apontam para uma ocorrência anual de 3 casos em cada 100.000 pessoas. A esclerodermia localizada é a forma mais comum nas crianças e afeta predominantemente meninas. Apenas 10%, ou até menos, dos casos de esclerodermia em crianças são do tipo sistêmico. Quais são as causas desta doença? A esclerodermia é uma doença inflamatória, mas a causa da inflamação ainda não foi descoberta. A esclerodermia é, provavelmente, uma doença auto-imune, o que significa que o sistema imunitário da criança reage contra ele mesmo. A inflamação causa inchaço, calor e a produção de tecido fibroso. Fonte: www.printo.it/pediatric-rheumatology/information/Brasil/4.htm#top
 
 
Dieta e Recomendações:
 

Página Anterior
Versão p/ Impressão