Nome comum: Estômago: acidez; gastrite; dores; mádigestão; azia *++
 
 
Plantas Relacionadas na Literatura : Anis, Aniz, [erva-doce] +, Batata +, Caqui +, Cidra +, Cordão-de-frade +, Dente-de-leão +, Malvarisco, Melancia, .
 
 
Sintomas e Causas : Elevação nível de acidez (abaixamento do valor pH), provavelmente pelo aumento de componentes ácidos do suco digestivo estomacal [principlamento o ácido clorídrico]. É a sensação de dor seca na região abdominal, queimadura na "boca do estômago", produção de gases intestinais e arrotos, às vezes com taquicardia e extrasístoles.
 
 
Tratamentos Propostos : Sergundo Dirceu (dirceu@paz.org.br), tomar Gastrite, (composto Dirceu com as plantas: babosa; bálsamo-da-horta; bardana; barbatimão; calêndola; craxerú; espinheira-santa); uso interno, folhas, ramos, decocto, infuso, tintura, cps em pó: Bálsamo-da-horta (melhora o pH do estômago); para estômago: casca, folhas e ramos, infuso, decocto, uso interno, Casca-dánta (Casca-de-anta); Funcho (Aniz-doce, Erva-doce) [Anetum foenicullum]. No caso de preparados na forma aquosa usar: até 2 anos: 1 gota/kg; de 3 anos à 7 anos: uma colher de café; de 7 até 12 anos: uma colher de chá; mais de 12 anos : uma colher de sobremesa. Em todas as idades, usar 3 vezes ao dia. No caso de usar na forma de cápsulas contendo pó seco e moído da mistura de plantas indicadas ou de uma planta, tomar 1 cápsula, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições,"em estado de fome", [prática que pode ser usada nas formulações aquosas] ou quando se fizer necessário.Segundo Dr. Degmar Ferro, são plantas com função antiácida: Espinheira-santa (Maytenus ilicifolia), folhas, infuso, cps do pó; Boldo-nacional (Plectranthus barbatus), folha macerada em água antes das refeições; Robínia (Robinia pseudoacacia); D1 para uso interno; Jurubeba (Solanum paniculatum), casca ou raízes, decocto.
 
 
Dieta e Cuidados Recomendados : Dieta recomendada durante o tratamento: cortar margarinas, manteigas, carne vermelha, frituras gerais, refrigerantes (mesmo diet e tipo cola), todo tipo de gordura mesmo chocolates, usar leite desnatado com aveia fina (Oat brean), 2 vezes ao dia.Dr Degmar indica: consumir mais: óleos de peixe, alho, gengibre, uva passa, banana, mamão, damasco, melancia, jaca, espinafre, fibras em geral. Diminuir o uso de: milho, trigo, leite de vaca, carnes em geral, gorduras saturadas, tomate,solanáceas (: beringela, batata, pimenta), queijos concentrados, ovos, queijo parmesão, pepino, aspargos, refrigerantes, enlatados, chocolate. Os alimentos que deixam radicais ácidos (radicais fosfatos e sulfatos)após a digestão, com acidificação do organismo, deveriam ser evitados ou reduzidos drasticamente nos artríticos, como é o caso da carne, queijos concentrados (contendo mais de 15% proteina) e ovos. O limão e outros cítricos apesar de sua acidez, em testes laboratoriais, não deixam resíduos ácidos citados, após sua digestão. O alimento de maior poder de acidificação é o queijo parmezão (muito prejudicial), e o mais alcalino é a uva passa (muito benéfico). As frutas mais alcalinas são: a banana, o mamão, o damasco, a melancia. Dos legumes e verduras, o mais alcalino é o espinafre (muito rico em cálcio), enquanto que os menos alcalinos são: o pepino e aspargos. Evitar qualquer tipo de refrigerante (pois são muito ácidos), alimentos processados (enlatados), chocolate. Jaca é um alimento interressante, pois diminui a absorção de endotoxinas no intestino que diminuiria a biossíntese de cartilagem (experiência clínica com extrato da saponina da jaca). Pode-se usar também nos locais das dores: pomada de veneno de abelha (apitoxina), árgila na forma de emplasto, óleo de cana (óleo fúsel) (mas que tem um cheiro forte e insuportável para muitos pacientes), óleo de eucalípto, Suskrill (cristais de minerais encontrados no mar. Como orientação geral, deve-se fazer exercícios regulares, exceto na fase aguda e crítica da inflamação.
 
 
Terapias Auxiliares e Observações Farmacêuticas: HIDROTERAPIA: compressas frias de água com vinagre-> estas compressas feitas com toalhas de linho (80 por 130 centímetros) embebidas em água com vinagre (2/3 de água e 1/3 de vinagre), devem ser aplicadas sobre a região do estômago e renovadas tão logo esquentem. O tratamento pode durar de meia a duas horas, quando se verifica a reação (transpiração intensa ou ação calmante forte, quando mais prolongado). Compressas quentes-> aplicadas sobre o estômago por 20 a 30 minutos. Devem ser feitas meia hora antes e meia hora depois das refeições, enquanto se permanece deitado. Depois que que a umidade do corpo evaporar, tomar um banho rápido frio de chuveiro ou ducha. TERRAS E LAMAS: aplicar cataplasmas de argila à noite em dias alternados. Nos dias que não se aplicar o cataplasma de argila, deve-se empregar cataplasma de algas marinhas e folhas de hera (dois punhados de folhas de hera finamente picadas com cinco punhados de algas marinhas, acrecsentar água e levar ao fogo. Deixar ferver até que a água evapore totalmente. Espalhar em pano e aplicar no epigastro [região abdominal logo acima do estômago] por uma a duas horas). CROMOTERAPIA: aplicar a sequência de cores a seguir no plexo solar: amarelo, amarelo forte, laranja, prata (para úlceras), verde e azul. AROMATERAPIA: usar um dos óleos essenciais (4 a 10 gotas, tres vezes ao dia, antes das refeições, misturadas em água ou chá) de anis (dispepsias, espasmos, gastralgias, azia, ardência no esôfago, aerofagia e flatulência), menta (gastralgias, úlceras, gastrites e constrições nervosas de esôfago), limão (excesso de acidez, cicatrizante), laranja-amarga (dispepsias nervosas, antiespasmódico, sedativo e ligeiramente hipnótico), coentro (estimulante da digestão, supressão da formação de gases gastrintestinais e espasmos). HOMEOPATIA: Mercurius iodatus ruber C5, Lachesis trigonocephalus C6 e Cicuta virosa C6 para esofagite; para gastrites agudas usa-se Arsenicum C5 e nas crônicas Arsenicum C12. Azia muito forte, com vômitos ácidos e eructações [arrotos] que pioram com estômago vazio e melhoram após comer, usa-se Robinia C6.
Página Anterior
Versão p/ Impressão